RH hospitalar: entenda a importância da gestão de pessoas na área da saúde

No momento você está vendo RH hospitalar: entenda a importância da gestão de pessoas na área da saúde

Para que uma instituição hospitalar consiga oferecer o melhor cuidado aos seus pacientes, é fundamental que os colaboradores que fazem parte dela também recebam a devida atenção.  

Assim como acontece em outras áreas, o nível de satisfação e preparo das equipes possui um impacto direto no desempenho delas. Mas, em setores tão delicados quanto o da saúde, essa lógica se torna ainda mais importante. 

Em meio a este contexto, o RH assume a desafiadora missão de construir um ambiente de trabalho agradável para todos e manter a motivação dos colaboradores em alta. Ao longo deste conteúdo, traremos detalhes de como isso é feito!

Por que o RH é tão importante para a área hospitalar?

Realizar uma boa gestão de pessoas é o caminho para promover a sustentabilidade das instituições hospitalares no longo prazo. 

Trata-se de um verdadeiro “efeito dominó”: uma gestão bem feita tende a deixar os colaboradores mais felizes. Colaboradores mais felizes conseguem desenvolver melhor as suas atividades. E isso, por sua vez, reflete diretamente na qualidade dos atendimentos e na satisfação dos pacientes.

Seja qual for o porte do hospital, ele só renderá bons frutos se contar com um time capacitado e disposto a entregar o seu melhor. E é por contribuir ativamente para que isso aconteça que o RH é visto como uma das áreas mais estratégicas dentro dessas organizações.

Vale dizer que quanto mais a gestão de pessoas for eficiente, maiores serão as chances de o hospital conseguir reter bons talentos.

Isso representa um diferencial competitivo imenso no setor hospitalar, tendo em vista que a rotatividade entre médicos, enfermeiros e demais profissionais que atuam na área da saúde costuma ser bem alta.

Principais responsabilidades do RH hospitalar

Como você viu até aqui, a grande missão do RH hospitalar é promover mudanças positivas no ambiente de trabalho e, consequentemente, permitir que as instituições consigam utilizar o seu capital humano de forma cada vez mais eficiente.  

Para tornar isso possível, há muito que ser feito. Veja, abaixo, quais são as principais atividades que estão sob os cuidados da área:

  1. Recrutar talentos com agilidade e precisão

Assim como acontece em outras empresas, o recrutamento e a seleção de pessoas também estão entre as atividades mais estratégicas do RH hospitalar. Quando bem conduzidos, eles garantem a contratação de profissionais qualificados e realmente alinhados às necessidades da instituição.

Com o passar do tempo, essas contratações bem sucedidas tendem a gerar aumento de produtividade, fortalecimento da cultura organizacional, maior satisfação dos pacientes e muito mais. 

  1. Realizar um bom processo de Onboarding 

Tão importante quanto acertar na escolha do talento é fazer com que ele seja devidamente integrado ao seu novo local de trabalho desde o primeiro dia. Essa integração é conhecida como Onboarding, processo que também é estruturado e conduzido pelo RH.

Para que você possa ter uma ideia da importância que um Onboarding bem feito tem para as organizações, uma pesquisa realizada pelo Brandon Hall Group revelou que ele pode aumentar a retenção de talentos em 82% e a produtividade em mais de 70%

  1. Fornecer treinamento e desenvolvimento continuamente

A falta de profissionais qualificados é algo que impacta empresas de todos os setores. Mas, quando se trata de cuidar da vida de outras pessoas, esse é um assunto que demanda uma atenção ainda maior.

Para reduzir os problemas nesta frente e promover a atualização contínua das equipes, é importante que o RH desenvolva programas de treinamento eficientes. 

Além de melhorar a qualidade do trabalho como um todo, essa prática tende a motivar os colaboradores, já que aumenta os sentimentos de pertencimento e valorização.   

  1. Cuidar do bem-estar dos profissionais

Boa parte dos funcionários que atuam na área hospitalar possui uma rotina bastante corrida – e até mesmo desgastante em algumas situações.

 Médicos e enfermeiros, por exemplo, quase sempre precisam enfrentar longas jornadas de trabalho. Não por acaso, estima-se que um em cada seis profissionais da saúde apresenta sinais de Burnout, a síndrome de esgotamento relacionada ao trabalho. 

É por esse motivo que, mais do que estar atento à saúde mental dos colaboradores, o RH deve promover ações focadas no bem estar deles. A máxima é simples: é preciso cuidar de quem cuida.  

  1. Manter a conformidade e legalidade

Atuar em hospitais demanda licenças e certificações específicas. E essas obrigatoriedades ressoam, também, no departamento de RH. 

Entre as responsabilidades da área, está o acompanhamento das leis e requisitos de licenciamento exclusivos para profissionais de saúde. O objetivo, neste caso, é contribuir com a conformidade no ambiente hospitalar.  

  1. Promover a Diversidade e Inclusão 

Garantir que todos os colaboradores do hospital sejam tratados com respeito e igualdade também é uma atribuição do RH. Aliás, esse é um fator que se relaciona diretamente com o tópico 4 deste artigo, onde falamos sobre bem-estar emocional.

Aqui, a missão da área é criar diretrizes e políticas claras de Diversidade e Inclusão, bem como realizar treinamentos regulares a fim de que todo o time esteja ciente delas.

BAIXE AGORA: Cartilha de Diversidade e Inclusão do Meta Para Todos

Vale lembrar que quando assuntos como esse são tratados internamente e fazem parte da cultura da empresa, aumentam-se as chances de que os pacientes recebam um atendimento mais humanizado e livre de preconceitos. 

  1. Acompanhar o desempenho e satisfação dos funcionários

Quando o RH não monitora o desempenho e a satisfação dos colaboradores com frequência, ele corre o risco de deixar que pequenos conflitos tornem-se problemas maiores – e, portanto, mais difíceis de serem resolvidos.

É por isso que essas duas atividades precisam estar inseridas na gestão de pessoas. A primeira delas tem como objetivo entender quais são os desafios enfrentados por cada colaborador na rotina hospitalar e, assim, direcionar melhor as ações de treinamento. 

 Já a segunda visa identificar a percepção dos funcionários sobre diversos aspectos da gestão de pessoas, incluindo a relação com os gestores e colegas de trabalho, clima organizacional, benefícios, entre outros. 

Juntas, ambas as ferramentas tendem a contribuir com a criação de estratégias mais focadas nas reais necessidades dos times. O que, por sua vez, traz ganhos em produtividade, engajamento, retenção e muito mais. 

  1. Apoiar a construção de uma cultura de feedback  

Após mapear o desempenho individual de cada talento, é importante que eles recebam uma devolutiva adequada sobre o assunto, com sugestões que os ajudem a melhorar os pontos de atenção que foram identificados. 

Geralmente, essa devolutiva é feita por meio da prática do feedback, nome dado ao momento de conversa entre o colaborador e o seu líder direto. 

Embora essa etapa não seja necessariamente conduzida pelo RH, é responsabilidade da área apoiar os gestores de equipes na condução dessas conversas, para que elas sejam de fato construtivas. 

Considerações finais

Como você viu até aqui, gerenciar pessoas no ambiente hospitalar é uma tarefa complexa. Mas isso não é motivo para que as ações nesta frente sejam deixadas de lado: sem um RH participativo e conectados às principais tendências, é impossível promover melhorias contínuas no ambiente de trabalho.

Agora que você já sabe a importância deste departamento para os hospitais e demais instituições da área da saúde, queremos te convidar para assinar a newsletter do Meta News. Basta cadastrar seu e-mail para receber as principais novidades do mercado de trabalho!

Deixe um comentário